LinkedIn

Reforma trabalhista: professor diz que receitas podem diminuir; empresário defende modernização

O professor de economia da Universidade Estadual de Campinas Márcio Pochmann afirmou há pouco que a mudança na legislação trabalhista não resolverá o problema do emprego no Brasil.

“Em um momento de enorme restrição fiscal, o risco de uma legislação trabalhista reformulada é a redução da receita do governo, seja com queda do Imposto de Renda ou de contribuições previdenciárias”, disse Pochmann, que foi presidente do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) de 2007 a 2012.

Dados do Fórum Econômico Mundial de 2006 a 2015, citados por Pochmann, indicam que países com maior regulação trabalhista, como a Coreia do Sul, tiveram maior média salarial e menor desemprego, em relação a outros que flexibilizaram a legislação, como a Inglaterra.

Já o presidente-executivo da Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação, Sergio Paulo Gallindo, afirmou que a reforma trabalhista (PL 6787/16) e a lei da terceirização (13.429/17) são muito bem-vindas. “São dois instrumentos necessários para a modernização das relações de trabalhos e dos ambientes de negócios.”

Gallindo defendeu que a mudança da legislação pense o futuro do mundo do trabalho que, segundo ele, prevê maior autonomia, meritocracia, mobilidade e jornada flexível, como é a dinâmica dos profissionais de tecnologia de informação.

Eles participam, com outros convidados, de debate da Comissão Especial da Reforma Trabalhista.

A audiência continua no plenário 4.

Assista ao vivo também no canal da Câmara dos Deputados no YouTube

TEMPO REAL:
15:03 – Relatório da reforma trabalhista será apresentado até dia 12

Reportagem – Tiago Miranda
Edição – Rosalva Nunes
Câmara dos Deputados



X